Quanto vale sua Empresa? Um guia Prático para a Pequena e Média Empresa

Autor : Cleônimo dos Santos - 2ª edição/2019 - Formato 15,5 x 23 – 148 páginas - ISBN 978-85-7987-342-3

SKU
978-85-7987-342-3
Preço Promocional R$81,00 Preço Normal R$90,00


Com a globalização da economia tem sido cada vez mais comum a aquisição de empresas por grupos empresariais. Muitas vezes o proprietário fica seduzido a negociar sua empresa, mas não sabe aferir o real valor do seu negócio.

Neste livro o leitor tem acesso a uma série de informações necessárias para calcular o valor de uma empresa e as etapas para elaboração do laudo de avaliação, independentemente do tamanho da empresa.

O livro baseia-se no método de avaliação denominado fluxo de caixa descontado. Trata-se de um dos métodos mais difundidos. O valor da empresa, nesse caso, é definido com base em benefícios futuros que a empresa poderá gerar e por isso é bem mais aceito pelo mercado.

Tendo como base essa metodologia, o livro traz exemplo pratico de avaliação que facilitará o entendimento do processo de avaliação e de cada um dos processos de elaboração do laudo.

Aplicação

A obra é destinada a empresários, auditores, contadores, advogados. Também é recomendada como livro-texto para as disciplinas de Análise das Demonstrações Contábeis e análise de projetos em cursos de graduação e pós-graduação e em cursos de treinamento empresarial voltados, sobretudo, à avaliação de empresa.

Capítulo 1 Algumas Considerações sobre as Demonstrações Contábeis

1 Introdução

2 Finalidade das demonstrações contábeis

3 Conjunto completo de demonstrações contábeis

3.1 Relatório da administração e outros relatórios

4 Apresentação apropriada em conformidade com as práticas contábeis brasileiras

4.1 Demonstrações contábeis em conformidade com os Pronunciamentos, Interpretações e Orientações do CPC ... 4 4.2 Representação apropriada das demonstrações contábeis

4 4.3 Utilização de políticas contábeis inadequadas

4.4 Divulgações necessárias quando a entidade não aplicar um requisito necessário

4.5 Conclusões enganosas tendo como base um requisito de Pronunciamento, Interpretação ou Orientação

4.6 Item de informação versus objeto das demonstrações contábeis

5 continuidade

6 Regime de competência

7 Materialidade e agregação

8 Compensação de valores

9 Frequência de apresentação de demonstrações contábeis

10 Informação comparativa

10.1 Apresentação das demonstrações contábeis – Quantidade mínima

10.2 Reclassificação dos montantes apresentados para fins comparativos

10.3 Reclassificação dos montantes – Impossibilidade

11 Consistência de apresentação

CAPÍTULO 2 Estrutura das Demonstrações Contábeis

1 Balanço patrimonial

2 Ativo

2.1 Ativo Circulante versus Ativo Realizável a Longo Prazo

2.1.1 Duração do ciclo operacional na definição de um direito como circulante ou realizável a longo prazo

3 Passivo

3.1 Passivo Circulante versus Passivo Exigível a Longo Prazo

4 Estrutura básica do balanço

5 As contas nos grupos do ativo

5.1 Ativo Circulante

5.2 Ativo não Circulante

5.2.1 Realizável a Longo Prazo

5.2.2 Investimentos (ativo permanente)

5.2.3 Imobilizado (ativo permanente)

5.2.4 Intangível (ativo permanente)

6 Classificação das contas nos grupos do passivo

6.1 Passivo Circulante

6.2 Passivo Não Circulante

6.3 Patrimônio Líquido

6.3.1 Utilização das reservas de capital

6.3.2 Reserva legal

6.3.3 Reservas Estatutárias

6.3.4 Reservas de Lucros a Realizar

6.3.5 Reserva para Contingências

6.3.6 Reservas de Retenção de Lucros (ou Reserva de Lucros para Expansão)

6.3.7 Reserva Especial para Dividendo Obrigatório Não Distribuído

6.3.8 Reserva de incentivos fiscais

7 Exemplo de balanço patrimonial

8 Demonstração Do Resultado do Exercício (DRE)

8.1 Exemplo de DRE

CAPÍTULO 3 Análise das Demostrações Contábeis

I – INTRODUÇÃO À ANÁLISE

1 Usuários/consumidores da informação

1.1 Instituições financeiras

1.2 Administradores ou gestores da empresa

1.3 Investidores

1.4 Análise da concorrência

1.5 Fornecedores

2 Análise Horizontal (AH)

2.1 Análise horizontal que comparar valores positivos com valores negativos – Cuidados a serem tomados

2.1.1 Exemplo

3 Análise Vertical (AV)

4 Análise por Quocientes (AQ)

5 Ajustes das demonstrações para fins de análise

6 Notas explicativas – importância para a análise e a interpretação das demonstrações financeiras

6.1 Conteúdo mínimo das Notas Explicativas

7 Obstáculos encontrados pelo analista

7.1 Observância dos princípios contábeis

II – ANÁLISE POR QUOCIENTES OU ÍNDICES

1 Quocientes de liquidez

1.1 Liquidez corrente

1.2 Liquidez seca

1.3 Liquidez imediata

1.4 Liquidez geral

2 Quocientes de imobilização

2.1 Quociente do nível de imobilização do Ativo

2.2 Quociente de imobilização de capitais de longo prazo (inclusive PL)

2.3 Quociente de Imobilização do capital próprio (AP)

2.4 Quociente de Imobilização do capital próprio (AP-Inv.)

2.5 Quociente de Imobilização do capital próprio (AP-Imob.)

3 Quocientes de endividamento/dependência financeira

3.1 Quociente de dependência financeira

3.2 Quociente de endividamento relativo

3.3 Quociente de independência financeira 

3.4 Endividamento de curto prazo

4 Quocientes de giro

4.1 Giro dos estoques

4.1.1 Quociente de giro os estoques (Empresa industrial)

4.1.2 Quociente de Giro dos Estoques (Empresa comercial)

4.2 Quociente giro de duplicatas a receber

4.3 Quociente de giro de duplicatas a pagar

4.4 Giro de duplicatas a receber versus duplicatas a pagar (quociente relativo)

4.5 Giro do Ativo

4.6 Giro do Ativo Circulante

4.7 Quociente de giro do Ativo Permanente

4.8 Quociente Giro do Ativo Permanente-Imobilizado

4.9 Quociente de Giro do Ativo Permanente-Investimento

4.10 Giro do Patrimônio Líquido

4.11 Quociente de Giro do Capital Social (nominal)

4.12 Quociente de Giro dos estoques em relação às vendas

5 Quocientes de rentabilidade/retorno

5.1 Quociente Retorno operacional sobre vendas (margem operacional)

5.2 Quociente Retorno líquido sobre vendas (margem líquida)

5.3 Quociente de retorno do Ativo sobre o Lucro Líquido

5.4 Quociente de retorno do Patrimônio Líquido sobre o Lucro Líquido

5.5 Quociente de Retorno do Capital Social (nominal) aplicado sobre o Lucro Líquido

CAPÍTULO 4 Projetando o Balanço e a Demonstração do Resultado do Exercício

1 Breve comentário

2 Metodologia a ser adotada na projeção da demonstrações contábeis

3 Exemplo de projeção do balanço patrimonial e da DRE com base na percentagem sobre as vendas

3.1 Determinação da taxa histórica de crescimento das vendas

3.2 Projetando o balanço patrimonial

3.3 Projetando a demonstração do resultado do exercício

CAPÍTULO 5 EBITDA Como Balizador do Fluxo de Caixa Descontado

1 Introdução

2 Premissas para o desenvolvimento do exemplo

3 DRE dos 5 anos anteriores

4 Evolução das contas de resultado e média de crescimento histórico

5 Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) projetada

5.1 Detalhamentos das premissas adotadas na projeção da DRE

6 Determinação do EBITDA

CAPÍTULO 6 Exemplo Prático de Avaliação de Empresa

CAPÍTULO 7 Laudo de Avaliação Emitido por Auditor Independente

WA button